5 maneiras de se sentir confiante em seu maiô

Descubra O Seu Número De Anjo

Roupas, Dedo, Diversão, Pele, Chapéu, Pessoas na praia, Verão, Pessoas na natureza, Cotovelo, Sentado,

Uma das minhas pacientes, que chamaremos de Melissa, passou meses evitando a praia, mesmo quando seus amigos persistentes a convidavam repetidamente. Depois de ganhar 7 quilos, ela decidiu que ficar em casa era melhor do que encarar fotos do Instagram de seu corpo em um maiô.



Mas depois de perceber que ficar em casa parecia apenas aumentar sua vergonha e miséria, Melissa aceitou a possibilidade de que se esconder não estava ajudando. Na terapia, começamos a rastrear todas as maneiras pelas quais ela se esconde (seu uniforme de roupas pretas e largas) e praticamos nos concentrando nas maneiras pelas quais Melissa poderia aparecer - na vida e na praia.



Finalmente, apesar dos protestos iniciais, Melissa disse que estaria disposta a ir à praia.

Acho que poderei ir se me oferecer para tirar fotos em vez de posar nas fotos, ela admitiu. Isso está aparecendo?

Eu esperava calorosamente que ela reconsiderasse estar nas fotos. Mas armada com um plano, Melissa aproveitou seus dias de verão na praia muito mais do que o tempo que ela passou em sua zona de conforto.



Todos nós nos movemos pelo mundo inundados por noções prescritas sobre como deve ser o nosso corpo. Com mensagens tão poderosas, é fácil internalizar a ideia de que nossos corpos de alguma forma refletem em nós como um todo. Muitas vezes sentimos que, ao falhar em moldar nossos corpos em qualquer molde que aprendemos ser aceitável, falhamos como humanos.

Na preparação para o verão, beliscamos e sugamos, bufamos e bufamos, ou nos encolhemos e choramos, acreditando que cada ondulação ou impacto nos torna menos amáveis, menos desejáveis, menos a pessoa que deveríamos ser. Mas perseguir um número mágico na escala fará pouco para alterar permanentemente nossa felicidade ou senso de autoaceitação.



Raramente paramos para nos perguntar por que, deixando de lado a saúde, nosso corpo é tão importante. Aceitamos, como se fosse imutável, a premissa de que a forma e o tamanho de nossos corpos têm significado - sugerindo o quanto somos bons ou dignos. E então, vamos considerar esta questão: Por que nossos corpos - em toda a sua glória divina e funcional - devem ter tanto poder sobre nosso senso de identidade, quanto mais nossa alegria de um dia glorioso?

Com a temporada de praia chegando, o primeiro passo para enfrentar nossos problemas com o corpo do biquíni é descartar o policiamento do corpo mental. Aqui estão algumas estratégias para avançar no sentido de aceitar o seu corpo e desfrutar do seu verão:

1. Prepare-se. Se você está se preparando para um dia de sol, evite o desejo de se fixar nos pontos problemáticos, praticando a atenção plena positiva para o corpo. Considere fazer uma meditação de 5 a 10 minutos em que você se concentra em pensamentos compassivos (ou seja, que eu seja feliz) e aprimore a habilidade de se livrar dos julgamentos habituais.

2. Foco. Quando você estiver se fixando em falhas físicas, considere canalizar essa energia para buscas alternativas que reforcem seu senso de competência. É menos provável que você afunde na insatisfação com o corpo quando lembrado das muitas maneiras substantivas de causar uma boa impressão no mundo. Se você está relaxando na praia e está pensando nas falhas do seu corpo, reoriente-se para algo ativo e / ou social. Seja jogando uma bola de vôlei, nadando sem pressa ou jogando um jogo de tabuleiro à beira da piscina, o envolvimento irá lembrá-lo das muitas maneiras como seu corpo (e mente) o serve.

Se você estiver sozinho, ouça as ondas do mar ou observe aquelas crianças de areia construindo seu castelo de areia imponente. Você pode descobrir que esses acontecimentos o lembram das fontes infinitas de alegria e gratidão que são mais dignas de sua energia do que aquela mancha de celulite que você está lamentando.

3. Mantenha uma boa companhia. Considere cuidadosamente a empresa que você mantém. Você tem alguns amigos que costumam se envolver em conversas sobre gorduras? Certifique-se de se proteger como faria com uma filha ou amiga. Você tem todo o direito de dizer a um amigo que seus comentários críticos focados no corpo o afetam negativamente e de pedir que ele se abstenha de falar criticamente em sua presença. Talvez o seu grupo de amigos mais próximos possa concordar em eliminar totalmente a conversa gorda, criando um ambiente seguro e de apoio, em vez de um que incentive a comparação e a conversa interna negativa.

4. Pratique. Passe mais tempo com roupas que parecem reveladoras para você. Experimente usar suas roupas proibidas como estampas e cores, saias e shorts. Quando você se inclina para essas roupas inicialmente desconfortáveis, você cria coragem e percebe que merece se sentir confortável e visto.

5. Lembre-se: você não é o seu corpo. Com essa fixação da sociedade nos ideais do corpo, pode ser fácil esquecer que a coisa física que apresentamos e usamos para nos mover pelo mundo não nos define. Podemos escolher nos esconder, comprando a ideia de que nossas falhas corporais são reflexos negativos de nós mesmos como um todo. Ou podemos decidir que são apenas nossos corpos, celulite e tudo. E não apenas corpos, afinal; são eles que nos permitem mover-nos pelo mundo, abraçar as pessoas que amamos, colocar a caneta no papel quando a inspiração bate e ocupar o espaço a que todos temos direito.

Não temos menos consideração por aqueles com quem nos importamos, se eles não se parecem em nada com supermodelos ou usam Spanx. Por que não oferecer a nós mesmos a mesma compaixão?